Arvorismo: medo e superação

Como comentei no post anterior, vim contar mais a fundo minha experiência na prática do arvorismo com a galera do Radicais Natureza!

18

Pré arvorismo: tranquila. Só que não!

Olha, eu confesso que topei por algum motivo desconhecido, eu nunca tinha feito nem imaginado fazer algum dia – muito menos no dia do meu aniversário de 25 anos – e ainda tinha plena certeza de que não conseguiria passar nem da primeira etapa. Quando chegamos lá e vimos o circuito, eu tive certeza da certeza. Mesmo com toda a segurança –  eles trabalham com um Sistema de Gestão de Segurança, baseadas nas Normas ABNT -, com o instrutor dando todo o suporte necessário e nos tranquilizando de que estaria pronto para ajudar, a certeza permaneceu. Mas, posso falar? A gente se surpreende, viu!? E a melhor coisa que eu fiz foi ter topado.

O Rafa foi primeiro e me ajudou muito em todas as etapas, não só psicológica mas fisicamente também. O circuito completo consiste em 6 etapas:

  1. Tirolesa: foi a mais tranquila e a mais gostosa pra mim. Eita frio na barriga bom descer pendurada naquele troço, gente. Parece que a gente tá voando, é uma leveza, uma liberdade, eu amei.
  2. Uma tal de teia: São várias cordas entrelaçadas formando uma ponte, você vai pisando onde elas se cruzam e evoluindo. Foi a etapa que eu menos gostei. Me irritei, me machuquei nas cordas, arranhou, beliscou… Aff! Mas eu passei!
  3. Primeira ponte de ripas (finas) de madeira: é como uma escada horizontal com degraus mais espaçados. No circuito haviam duas. Nesta, passei bem e tranquila, não encontrei muitos problemas.
  4. Cabo de aço: tinha que atravessar no meio de uma árvore, desviando de galhos e troncos, pisando apenas em um, eu disse UM, cabo de aço e segurando em outro, acima da cabeça. O mais complicado foi desviar dos galhos e manter o equilíbrio. Mais ou menos no meio da corda, era preciso ‘pular’ um tronco maior da árvore e se manter seguro com um pé só por alguns segundos, eu fiz a louca e fui. Deu certo! Passei.
  5. Segunda ponte de ripas (finas) de madeira: Nesta aqui deu meio ruim, viu!? Motivo: em dado momento, a distância entre uma ripa de madeira e a outra estava dobrada, faltava uma entre elas. E ai que minha perna é curta, amigos, deu problema. Eu travei. Não consegui pisar na lateral pois sentia que as cordas iam girar e eu ia ficar pendurada igual uma mané. Mas o Rafa e o instrutor me ajudaram muito, incentivando, dando apoio e um jeitinho nas cordas para que eu pudesse avançar com mais segurança, e eu consegui.
  6. Rapel: era a conclusão do circuito para voltar ao chão, descer a plataforma de madeira. Ai gente, sinto decepcionar, mas não rolou pra mim, não. Eu não senti segurança nenhuma, simplesmente não consegui soltar o corpo e muito menos a corda. Visto isso eu desci – com uma ajudinha generosa do instrutor que me lançou de lá de cima, senão provavelmente eu estaria lá até agora haha – pendurada nos cabos de segurança, sentada. O que não me faz ter a certeza de que foi melhor do que ter descido de rapel, mas… desci.

Eu finalizei o circuito e não precisei ser resgatada no meio dele, apesar do medo, da insegurança e dos machucadinhos, com o incentivo e apoio que que recebi e com alguma força de vontade minha, cheguei até o final e isso me deixou MUITO feliz. Depois de 24 primaveras o que eu nunca cogitei fazer me fez acreditar mais em mim, ter mais confiança e entender que apesar de qualquer coisa eu preciso me dar a chance de, pelo menos, tentar. Com certeza saí dessa aventura que, pra muitos pode ser uma bobagem, mas pra mim foi extremamente importante, me superando em todos os aspectos. E esse foi o maior presente de todos.

Parte do circuito. foto: Radicais Natureza

Parte do circuito. foto: Radicais Natureza

Quero muito agradecer ao namorado incrível que me proporcionou essa experiência e esteve ao meu lado todo e me serviu de base para passar por cada etapa – e completou o circuito bravamente – e a equipe do Radicais da Natureza, pela paciência, pelo encorajamento e apoio.

Comecei esses 25 anos da melhor maneira, hein!? Em um lugar incrível, com pessoas incríveis e uma experiência e tanto. Obrigada a todos ❤

^C2AC964286C5B7F49A85128BB42813641D3ECA0F6277AB0C94^pimgpsh_fullsize_distr

Anúncios

4 comentários sobre “Arvorismo: medo e superação

  1. Pingback: Run, Forrest! Run! | Odeio Sagu

  2. Pingback: Na Estrada: Pedra Bela | Odeio Sagu

  3. Pingback: Sentiram saudade? | Odeio Sagu

  4. Pingback: Na estrada: Monte Alegre do Sul – Parte dois | Odeio Sagu

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s